Seu portal de notícias do setor energético

Aneel: bandeira tarifária segue verde há 26 meses no Brasil

Com a bandeira verde, não haverá custo adicional nas contas de luz dos consumidores brasileiros (Foto: Aneel)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou, para o mês de junho, a manutenção da bandeira verde na conta de energia. O cenário segue inalterado há 25 meses, desde abril de 2022. A medida é resultado das condições favoráveis de geração de energia no país.

Dessa forma, não haverá custo adicional nas contas de energia elétrica dos consumidores brasileiros. Com o sistema de bandeiras, o consumidor consegue ter o efeito real da geração de energia dentro dos custos que compõem a sua conta de energia.

Antes, esse repasse era feito apenas nos reajustes tarifários anuais, o consumidor não tinha a informação de que a energia estava cara naquele momento e, portanto, não tinha um sinal para reagir a um preço mais alto.

Segundo a Aneel, com as bandeiras tarifárias, o consumidor ganha um papel mais ativo na definição de sua conta de energia. Ao saber, por exemplo, que a bandeira está vermelha, o consumidor pode adaptar seu consumo para ajudar a reduzir o valor da conta.

Apesar do alívio na conta de energia elétrica para o mês de junho, a vigilância quanto ao uso responsável da energia elétrica deve continuar. A orientação é para utilizar a energia de forma consciente e evitar desperdícios que prejudicam o meio ambiente e afetam a sustentabilidade do setor elétrico como um todo. A economia de energia é essencial para a preservação dos recursos naturais.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado pela Aneel em 2015 para indicar, aos consumidores, os custos da geração de energia no Brasil. Ele reflete o custo variável da produção de energia, considerando fatores como a disponibilidade de recursos hídricos, o avanço das fontes renováveis, bem como o acionamento de fontes de geração mais caras como as termelétricas.

Câmara

compartilhe

A publicidade é a vida do negócio
Aumente suas possibilidades
Se eu tivesse um único dólar