Seu portal de notícias do setor energético

Brasil bate recorde na produção de petróleo em junho

Dos 4,3 milhões de barris de óleo equivalente por dia, 75% se referem à produção na área do pré-sal (Reprodução)

O Brasil registrou, em junho, recorde da produção de petróleo e gás natural em 2023. No período, foram produzidos 4,324 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboe/d), sendo 3,367 milhões de barris por dia (MMbbl/d) de petróleo e 152,258 milhões de metros cúbicos por dia (MMm³/d) de gás natural. A informação consta no Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural é da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), divulgada hoje (1º), no Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural.

Os números superam a marca alcançada em fevereiro de 2023, quando foram produzidos 4,183 MMboe/d, até então, a maior do ano.

No petróleo, houve aumento de 5,2% na comparação com o mês anterior e de 19% em relação a junho de 2022. É o maior volume de produção de petróleo já registrado, superando o de janeiro de 2023, quando foram produzidos 3,274 MMbbl/d.

No gás natural, a produção aumentou 5,4% em relação a maio de 2023 e 14,6% na comparação com junho de 2022. Também foi o maior volume já registrado, superando o de outubro de 2022, quando foram produzidos 149 MMm3/d.

Segundo o boletim, variações na produção são esperadas e podem ocorrer devido a fatores como paradas programadas de unidades de produção em função de manutenção, entrada em operação de poços, parada de poços para manutenção ou limpeza, início de comissionamento de novas unidades de produção, dentre outros.

“Tais ações são típicas da produção de petróleo e gás natural e buscam a operação estável e contínua, bem como o aumento da produção ao longo do tempo”, diz a agência.

Pré-sal

A produção no pré-sal em junho foi de 3,243 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boe/d) e correspondeu a 75% da produção brasileira. Foram produzidos 2,553 milhões de barris diários (bbl/d) de petróleo e 109,8 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d) de gás natural por meio de 142 poços. Houve aumento de 1,5% em relação ao mês anterior e de 17,5% na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Em junho, o aproveitamento do gás natural foi de 97%. Foram disponibilizados ao mercado 55,40 milhões de m³/d e a queima foi de 4,58 milhões de m³/d. Houve aumento na queima de 10,7% em relação ao mês anterior e de 5,4% na comparação com junho de 2022.

Origem da produção

Em junho, os campos marítimos produziram 97,6% do petróleo e 83,2% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras, sozinha ou em consórcio com outras empresas, foram responsáveis por 88,3% do total produzido. A produção teve origem em 6.305 poços, sendo 514 marítimos e 5.791 terrestres.

Campos e instalações

No mês de junho, o campo de Tupi, no pré-sal da Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás, registrando 790 mil bbl/d de petróleo e 37,78 milhões de m³/d de gás natural. A instalação com maior produção de petróleo e gás natural foi a FPSO Guanabara na jazida compartilhada de Mero, com 177,029 mil bbl/d de petróleo e 11,35 milhões de m³/d de gás.

Câmara

compartilhe

A publicidade é a vida do negócio
Aumente suas possibilidades
Se eu tivesse um único dólar