Seu portal de notícias do setor energético

Energia elétrica: carga brasileira crescerá 3,5% em 2023

Segundo ONS, previsão de temperaturas mais amenas é um dos fatores que justifica esse comportamento (Reprodução)

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) projetam um crescimento de 3,5% na carga de energia elétrica do Brasil em 2023. A previsão consta na 2ª Revisão Quadrimestral das Previsões para o Planejamento Anual da Operação Energética 2023-2027, divulgada ontem (1º).

O resultado se manteve estável em relação à 1ª Revisão, publicada em março, mesmo com a maior perspectiva para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, que saltou de 1,0% para 2,3%. As projeções para o curto prazo consideram como premissa a expectativa de desaceleração da economia mundial, bem como o processo de desaceleração pela qual passa a demanda interna após o crescimento verificado no ano passado. O elevado endividamento das famílias e juros ainda altos, impedem uma expansão mais significativa da atividade econômica.

No médio prazo, espera-se uma convergência para um ambiente com maior estabilidade e confiança dos agentes, o que explica a manutenção das previsões para o aumento no PIB em 2026, de 2,3% e em 2027, de 2,5%. O cenário de menor incerteza favorece principalmente os setores de infraestrutura. Com isso a estimativa é de um crescimento médio anual de 3,3% na carga no período entre 2023 e 2027, alcançando 84.980 MW médios ao final do ciclo.

A parcela de micro e minigeração distribuída existente na carga prevista para 2023 é de 3.658 MW médios e, para o período 2024-2027, é de 3.786 MW médios. Essa geração será representada tanto na carga quanto na oferta, com efeito líquido nulo. Vale mencionar que o cálculo reflete somente a capacidade instalada de MMGD de junho de 23. A expansão será incorporada na carga somente a partir de janeiro de 2024.

Câmara

compartilhe

A publicidade é a vida do negócio
Aumente suas possibilidades
Se eu tivesse um único dólar