Seu portal de notícias do setor energético

Parceria prevê criação de Instituto de C&T no RN

Protocolo de intenções firmado entre Petrobras e Senai RN foi assinado hoje (16), em Natal (Divulgação/Petrobras)

O Rio Grande do Norte deverá contar com um Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT) de referência para pesquisa e desenvolvimento nas áreas de energias renováveis, descarbonização e transição energética. O compromisso de criação do ICT consta no protocolo de intenções assinado nesta sexta-feira (16) pela Petrobras e Senai-RN, em Natal. A parceria entre as duas entidades prevê investimento de R$ 5 milhões.

A assinatura do documento ocorreu em evento realizado na Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern) e contou com as presenças do presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, do senador Davi Alcolumbre, da governadora do estado, Fátima Bezerra; além do presidente da Fiern, Amaro Sales de Araújo e do diretor do Senai-RN e do Instituto Senai de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER), Rodrigo Mello.

Outro possível desdobramento, dentro das ações estratégicas previstas no protocolo de intenções será a ampliação e o aprofundamento do mapeamento do potencial eólico offshore na Margem Equatorial Brasileira.

“Esse acordo vai abrir caminhos para uma nova fronteira de energia limpa e renovável no Brasil, aproveitando o expressivo potencial eólico offshore do nosso país e impulsionando nossa trajetória em direção à transição energética justa. A Petrobras está caminhando com diligência, mantendo foco em operar de forma sustentável. Ao mesmo tempo avançando na descarbonização e atenta às oportunidades de ampliar sua atuação em novas matrizes como os combustíveis com conteúdo renovável, energia eólica e solar “, afirmou o Jean Paul Prates.

Estudos

Dados preliminares de um estudo conduzido pelo Instituto Senai de Inovação em Energias Renováveis em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) sugerem que o potencial do recurso solar do Amapá é equivalente a regiões do Brasil onde já existem empreendimentos de grande porte instalados, seja na medição anual como sazonal.

A região já é estudada desde 2015, quando Petrobras e Senai-RN descobriram o potencial eólico offshore da bacia Rio Grande do Norte – Ceará. A parceria pode contribuir para ampliar a segurança energética dos estados e evitar, por exemplo, episódios como o de 2020, quando o Amapá enfrentou 22 dias de interrupção de energia elétrica, causada por fortes chuvas e descargas atmosféricas, que afetou cerca de 90% da população.

“Essa parceria abre perspectivas para a criação de um ambiente de discussão estratégica para o Brasil sobre temas em que o país caminha para alcançar cada vez mais destaque aos olhos do mundo. É um contexto de muita demanda por energia limpa, por transição energética, por eficiência energética e descarbonização em todos os níveis. Analisamos como muito oportuna essa união de esforços do SENAI e da Petrobras em busca de cada vez mais expertise e competitividade nessa direção”, diz o diretor do Senai RN e do Instituto Senai de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER), Rodrigo Mello.

Além disso, a Margem Equatorial Brasileira apresenta grande diversidade fisiográfica e meteorológica e é considerada uma região de interesse estratégico para o país.

“Estamos avaliando muitas possibilidades visando a descarbonização das operações na Petrobras. Recentemente firmamos parceria com a Equinor para estudos relacionados à instalação de parques eólicos offshore na costa de seis estados, alguns deles aqui na região da Margem Equatorial. Acredito que o protocolo assinado hoje, permitirá ampliar ainda mais o leque de oportunidades. A Petrobras tem buscado novos parceiros para futuros projetos”, explicou o diretor de Transição Energética e Sustentabilidade da Petrobras, Maurício Tolmasquim.

Transição energética

A Petrobras busca integrar as operações de exploração e produção a novas fontes de energia, formando um ecossistema. Na prática, os novos projetos incorporam, em todo ciclo de vida, a associação com soluções que reduzam as emissões de gases de efeito estufa no longo prazo como, por exemplo, a energia eólica offshore, o hidrogênio de baixo carbono e a captura de carbono.

O potencial brasileiro é estimado em 700 GW em locações offshore com baixa profundidade – um volume que corresponde a mais de 30 vezes a capacidade de geração instalada hoje no mundo –, de acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério das Minas e Energia (MME).

Câmara

compartilhe

A publicidade é a vida do negócio
Aumente suas possibilidades
Se eu tivesse um único dólar